LoginLogin
4.543 relógios para "

Rolex Daytona

"
Marca
Modelo
Preço
Diâmetro
Ano
Localização
Leia mais
A sua escolha

A sua escolha

A sua escolha

A sua pesquisa não obteve resultados
A sua escolha

A sua pesquisa não obteve resultados
A sua escolha

A sua pesquisa não obteve resultados
Informações gerais
Tipo de relógio
Referência
Leia mais ...
Novo/usado
Disponibilidade
Sexo
Estado
Leia mais ...
Âmbito de fornecimento
Propriedades e funções
Corda
Material da caixa
Leia mais ...
Mostrador
Leia mais ...
Vidro
Leia mais ...
Funções
Leia mais ...
Altura
Leia mais ...
Material besel
Leia mais ...
Números do mostrador
Impermeável
Leia mais ...
Outro
Leia mais ...
Bracelete
Material da bracelete
Leia mais ...
Largura
Leia mais ...
Cor da bracelete
Leia mais ...
Material do fecho
Leia mais ...
Cancelar

Ordenar por

Rolex Cosmograph Daytona 40mm Steel Rolex Cosmograph Daytona 40mm Steel Pronto a expedir R$ 31.242 RU 2014

Rolex Daytona: Para sempre cool

O Rolex Daytona é um dos mais carismáticos relógios do universo da relojoaria. Imortalizado por Paul Newman, o mítico cronógrafo desportivo da marca da coroa tornou-se um dos objetos mais desejados do mundo.

Destaques do Rolex Daytona

  • Um dos mais célebres cronógrafos da história
  • Calibre 4130: mecanismo cronográfico de nova geração
  • Disponível em aço, ouro ou platina
  • Muito apreciado por personalidades célebres e desportistas
  • Cobiçado modelo de coleção: o Daytona "Paul Newman"

Rolex Daytona – um cronógrafo emblemático

A Rolex lançou o Cosmograph Daytona em 1963, apenas um ano depois de ter sido disputada a primeira corrida de endurance de Daytona, no circuito de Daytona Beach, Florida. Foi em tributo a esta mítica corrida que a marca da coroa batizou aquele que é hoje um dos mais famosos cronógrafos desportivos da história. A Rolex tem uma longa ligação às competições automobilísticas de prestígio e, atualmente, assume o papel de official timekeeper, tanto na prova que hoje é conhecida por Rolex 24 Horas de Daytona como nas 24 Horas de Le Mans. Indubitavelmente, o Rolex Daytona ocupa um lugar muito especial no catálogo da marca, conhecida essencialmente pelos seus relógios de prestígio, entre os quais se destacam modelos emblemáticos como o Submariner e o Datejust.
Quando foi lançado, o Daytona ostentava apenas a inscrição "Chronograph" no mostrador. Contudo, a partir de 1965, surge no mostrador a inscrição "Cosmograph", nome que a marca registou em 1953. Segundo a lenda, a Rolex terá desenvolvido este modelo com a intenção de que se tornasse o primeiro "Moonwatch" da Agência Espacial Norte-Americana (NASA), numa era pautada pela corrida ao espaço. Porém, depois de a Rolex se tornar cronometrista oficial das 24 Horas de Daytona, em 1964, o Cosmograph acabou por ficar associado ao mundo da competição automobilística. Nesse mesmo ano, passa também a incluir a inscrição "Daytona" no mostrador. Na época, os pilotos vencedores das 500 Milhas de Daytona recebiam um Cosmograph Daytona como prémio.

Conselhos para a compra de um Rolex Daytona

Procura um cronógrafo de prestígio? O Rolex Daytona é o relógio perfeito para si. O lendário relógio da Rolex conta com inúmeros fãs célebres, incluindo Leonardo DiCaprio ou Niki Lauda. Uma das edições vintage mais procuradas foi inclusive batizada pelos colecionadores com nome de "Paul Newman", por ter sido usada pelo ator, que esteve também ligado à competição automóvel. A principal característica deste relógio é o mostrador contrastante. Os exemplares dos anos 60 com a referência n.º 6239 alcançam frequentemente valores acima dos 100.000 euros em leilões especializados. Contudo, existem modelos mais acessíveis a partir dos 8.000 euros, ou, no caso de modelos não usados, a partir de 10.000 euros. Neste segmento de preços encontram-se também as versões bicolores de aço/ouro amarelo de 18 quilates. O preço dos relógios em ouro maciço começa a partir dos 20.000 euros. As versões em platina rondam os 45.000 euros.

Algumas dicas para a compra de um Rolex Daytona

  • Modelos de aço, aço/ouro, ouro maciço ou platina
  • Preços a partir dos 8.000 euros para relógios usados
  • "Paul Newman" (referência n.º 6239): relógio de coleção raro com um preço superior a 10.000 euros
  • Calibre 4130, lançado em 2001
  • Correias em pele ou braceletes Oyster de três elos

Alternativas de outras marcas

Ícone de estilo

Ao longo da sua carreira, tanto no grande ecrã como na competição automobilística, foram muitas as ocasiões em que Paul Newman ostentou um Daytona no pulso. Além de ser um dos maiores ícones de estilo e classe de todos os tempos, o ator norte-americano era também um aventureiro e um amante da velocidade, chegando mesmo a vencer a prova 24 Horas de Le Mans. Usou diferentes versões deste cronógrafo desportivo, mas o Daytona com a referência 6239, usado pelo ator na capa de uma revista, é atualmente uma das edições vintage mais procuradas pelos colecionadores. Estes modelos ficaram conhecidos pelos Daytona com mostrador "Paul Newman", denominado também de mostrador exótico — um tipo de mostrador contrastante (branco com contadores pretos ou preto com contadores brancos). Estas versões são extremamente raras e atingem valores recorde em leilões especializados. Num leilão realizado pela Casa Christie's, em 2013, um cronógrafo Daytona 6263 foi vendido por mais de um milhão de francos suíços.

Universo do desporto motorizado

O Rolex Daytona sempre entusiasmou pilotos e amantes do automobilismo por possuir algumas inovações especificamente concebidas para lhes servir de instrumento. A escala de taquímetro, usada para medir a velocidade média em km/h de um percurso, em vez de ser impressa no mostrador, foi transferida para a luneta de aço, o que aumentou a sua legibilidade. O grafismo técnico e desportivo do Daytona assenta em três submostradores, com dois contadores para as horas e para os minutos do cronógrafo e um submostrador dos pequenos segundos. O ponteiro central dos segundos permite uma leitura com precisão de 1/8° de segundo, enquanto os dois totalizadores às 9 e às 3 horas registam as horas e os minutos acumulados, permitindo ao piloto planear com precisão os tempos de volta e a rapidez de condução para chegar à vitória.
A motorização do Daytona dos anos 60 é feita pelo calibre de corda manual Valjoux 72, cuja carreira terminou em 1976. A partir dessa época, a Rolex passou a equipar o Daytona com calibres de corda automática. O novo Daytona, equipado com o calibre 4030, foi apresentado pela manufactura suíça em 1988 na Feira de Relojoaria de Basileia. Este movimento era baseado no calibre 400 El Primero, da Zenith, o melhor movimento cronográfico industrial disponível no mercado na época, com uma frequência de 36.000 alternâncias/hora. A Rolex, porém, não se conseguiu resignar à elevada frequência deste mecanismo, tampouco à sua indicação da data. Assim, reestruturou de raiz o movimento, modificando cerca de metade dos seus componentes. O resultado foi um balanço-espiral com 28.000 A/h, a adição de uma espiral com terminal Breguet e a inclusão do ajuste fino equipado com parafusos Microstella, que permitem um ajuste de extrema precisão. Particularmente as versões em aço foram um sucesso e são peças muito desejadas ainda hoje. As consequências foram longas listas de espera para a aquisição deste modelo.

Novo século, novo calibre

Com a viragem do século, a Rolex deixa para trás os modelos baseados no calibre da Zenith e começa uma nova era. Assim, a grande estrela na BaselWorld de 2000 foi, precisamente, o mítico cronógrafo Daytona, desta feita o Daytona Ref.ª 116520, equipado com um novíssimo calibre: o 4130. Um acontecimento inédito, dado que este foi o primeiro cronógrafo a ser inteiramente desenvolvido pela Rolex. Além disso, foi o primeiro a utilizar a espiral Parachrom, embora esta não tivesse ainda o tratamento que lhe confere a coloração azul, que apenas foi introduzido em 2005. O calibre bate a 28.800 A/h e é composto por 44 rubis. Entre as muitas inovações, destacam-se a embraiagem do tipo vertical no mecanismo do cronógrafo e o desenvolvimento de soluções técnicas que permitiram que este calibre tivesse menos 20% das peças que o seu antecessor num espaço de 30,5 mm de diâmetro por 6,5 mm de espessura. Esta poupança resultou numa impressionante autonomia de 72 horas. O mecanismo inclui ainda um sistema de absorção ao choque KIF, da empresa KIF Parechock.
Em termos estéticos, o Daytona do século XXI manteve o visual que sempre o definiu. A caixa permaneceu exatamente igual, tendo apenas o mostrador sofrido ligeiras modificações. Os pequenos segundos surgem agora às 6 horas (nas versões anteriores encontravam-se às 9 horas). Para celebrar os 50 anos do Daytona, a Rolex apresentou uma nova versão com caixa em platina (a primeira vez que o Daytona é condecorado com uma caixa concebida neste material), luneta castanha em cerâmica Cerachrom e um mostrador azul ártico. Vem, assim, complementar na perfeição as outras versões em aço com ótica bicolor e luneta, coroa e botões do cronógrafo em ouro amarelo.

Principais características técnicas

  • Calibre 4130, lançado em 2001
  • Frequência de 28.800 alternâncias/hora
  • Sistema simples de acerto da data, bem como a função de stop-seconds
  • Reserva de corda de 72 horas
  • Luneta em cerâmica Cerachrom nas versões em platina (desde 2013) e nas versões em aço (desde 2016)

Cronógrafos especiais de corrida

Os cronógrafos são uma categoria de relógio à parte que sempre despertou paixões. Destacamos aqui dois, também eles lendários e com muitas histórias para contar: o Speedmaster da Omega e o Carrera da Tag Heuer. O Speedmaster Professional, mais conhecido pelo nome de "Moonwatch", foi inicialmente desenvolvido a pensar no desporto automobilístico, mas acabou por ser o relógio a acompanhar os primeiros astronautas a pisar a Lua, depois de ter sido escolhido pela NASA como relógio oficial para o programa espacial norte-americano.
Outro ícone da relojoaria, o Carrera da Tag Heuer, teve um importante papel na história dos cronógrafos modernos, tornando-se o primeiro relógio suíço no Espaço. Em 1962, o astronauta John Glenn orbitou a Terra na sonda Friendship 7. No braço, levava um cronógrafo modificado da Tag Heuer. O Carrera, cujo nome deriva do Rallye Carrera Panamericana, seria lançado pela marca de La Chaux-de-Fonds um ano depois, tornando-se um sucesso mundial.

Sinónimo de exclusividade e de perfeição

O Rolex Daytona é um relógio com classe, robusto e fiável, com uma elevada qualidade de acabamentos e materiais, como o ouro e a platina. Ao mesmo tempo, personifica o espírito racing, de aventura e de adrenalina. Não é por acaso que este cronógrafo sempre esteve associado a personalidades carismáticas e a alguns dos melhores pilotos da história, como é o caso do tricampeão de Fórmula 1 Jackie Stewart, que não se separa do seu Daytona deste 1969. Quem compra um Rolex não está apenas a adquirir um relógio, está também a fazer um investimento. Por outro lado, a marca da coroa representa valores eternos, como constância, estética harmoniosa e perfeição técnica, o que faz com que os seus relógios se tornem míticos e adorados por muitos fãs.