LoginLogin
1.076 relógios para "

Rolex Sea-Dweller

"
Marca
Modelo
Preço
Diâmetro
Ano
Localização
Leia mais
A sua escolha

A sua escolha

A sua escolha

A sua pesquisa não obteve resultados
A sua escolha

A sua pesquisa não obteve resultados
A sua escolha

A sua pesquisa não obteve resultados
Informações gerais
Tipo de relógio
Referência
Leia mais ...
Novo/usado
Disponibilidade
Sexo
Estado
Leia mais ...
Âmbito de fornecimento
Propriedades e funções
Corda
Material da caixa
Mostrador
Vidro
Funções
Leia mais ...
Altura
Leia mais ...
Material besel
Leia mais ...
Números do mostrador
Impermeável
Leia mais ...
Outro
Leia mais ...
Bracelete
Material da bracelete
Leia mais ...
Largura
Leia mais ...
Cor da bracelete
Leia mais ...
Material do fecho
Leia mais ...
Cancelar

Ordenar por

Rolex Sea Dweller Mark II Thin Case Tropical Full Set Rolex Sea Dweller Mark II Thin Case Tropical Full Set Pronto a expedir Preços mediante pedido FR 2010

Sea-Dweller: Explorador das profundezas

O Sea-Dweller é o relógio de mergulho profissional da Rolex. Com uma estanqueidade garantida até mais de 1.000 m e uma válvula de hélio, este relógio está preparado para enfrentar o mais fundo dos abismos do mar. Em terra, também faz boa figura.

Destaques do Sea-Dweller

  • Sea-Dweller 4000: estanque até 1.220 m de profundidade
  • Sea-Dweller Deepsea: estanque até 3.900 m
  • Calibre de manufactura 3135
  • Espiral paramagnética
  • Válvula de hélio e luneta em cerâmica

Relógios de mergulho para profundezas extremas

A coleção Sea-Dweller compõe-se de dois relógios: o Deepsea, com uma pujante caixa de 44 mm, e o Sea-Dweller 4000, um relógio com um tamanho mais comedido de 40 mm. Ambos os modelos são relativamente novos e foram reeditados a partir do modelo original que surgiu em 1967. Este, por sua vez, foi um desenvolvimento do Submariner, que a marca lançou em 1953. A Rolex especializou-se na conceção de relógios estanques e fez história logo na década de 1920 com o lançamento do célebre Oyster.
O Sea-Dweller é um relógio de mergulho clássico com uma luneta rotativa unidirecional e ponteiros luminescentes. O Sea-Dweller pode alcançar 1.220 m de profundidade máxima, ao passo que o Deepsea chega mesmo aos 3.900 m. A caixa de ambos os relógios é fabricada em aço 904L, um tipo de aço com um elevado teor de níquel e molibdénio que é utilizado, por exemplo, na construção de instalações "offshore" por ser extremamente resistente à corrosão.

Conselhos para a compra de um Sea-Dweller

Se se decidir pela compra de um Sea-Dweller, será pouco provável que o consiga levar aos limites, ainda que seja mergulhador profissional. Com efeito, a Rolex desenvolveu estes dois modelos para enfrentarem grandes profundezas, que só podem ser alcançadas por submarinos especiais. Isto não quer dizer que não se possa divertir com o Sea-Dweller em atividades aquáticas mais mundanas, como esqui aquático, snorkeling ou quiçá saltar de um trampolim de 3 metros numa piscina. O relógio tem o mesmo design do Submariner, um dos modelos de maior sucesso na história da Rolex. Estes relógios são considerados indestrutíveis, dado que suportam uma pressão de mais de 100 bar. A robustez é alcançada por acabamentos e materiais extremamente sólidos.
No que toca à estanqueidade, são poucos os relógios de mergulho que conseguem competir com o Sea-Dweller 4000 e o Deepsea. Um deles é o Omega Seamaster Ploprof que é capaz de resistir a uma profundidade de 1.200 metros. O seu visual, porém, é bastante mais agressivo e angular. O 500 Fathoms da Blancpain, com uma edição especial limitada a 50 exemplares, é estanque até 1.000 m de profundidade. O Breitling Avenger II Seawolf pode descer a uma profundidade impressionante de 3.000 m.
Com exceção do Breitling, os preços de todos estes relógios situam-se claramente acima da barreira dos 5.000 euros, por vezes até mais. Um Deepsea não usado custa cerca de 11.000 euros e um Sea-Dweller 4000 ronda os 9.500 euros. No caso dos modelos vintage de edições raras e muito procuradas do Sea-Dweller (por exemplo, a referência 1665), o investimento começa na casa dos 20.000 euros.
Se quiser ficar muito abaixo desta fasquia de preços, dê uma vista de olhos no catálogo da Sinn. O Sinn U2 alberga o fiável calibre ETA 2893-2 e é estanque até 2.000 metros (200 bar).

Outros relógios de mergulho estanques a 1.000 m ou mais

  • Breitling Avenger II Seawolf, 3.000 m, não usado por 4.000 euros
  • IWC Aquatimer Automatic 2000, 2.000 m, não usado abaixo dos 8.000 euros
  • Omega Seamaster Ploprof, 1.200 m, não usado por 6.500 euros
  • Sinn U2, 2.000 m, não usado abaixo dos 2.500 euros

Luminescência azul Chromalight

Todas as versões do Sea-Dweller apresentam uma janela para a data posicionada às 3 horas, sem a lupa Cyclops. A versão base surge com um mostrador preto com ponteiros e indexes revestidos com a matéria luminescente Chromalight, complementado ainda por uma luneta preta unidirecional em Cerachrom com marcações gravadas. O ponteiro das horas —conhecido pelo ponteiro Mercedes— apresenta a típica massa luminescente tripartida na ponta a fim de lhe conferir visibilidade quando este se encontra sobreposto pelo ponteiro dos minutos. O material luminescente utilizado pela Rolex emite uma característica luz azul, proporcionando uma excelente legibilidade no escuro. Esta luz tem a particularidade de ser de longa duração, ao contrário da SuperLuminova que é usada na maioria dos relógios de mergulho de outras marcas.

O Deepsea mergulha a 3.900 m

Em 2008, o Deepsea veio substituir o lendário Sea-Dweller original. A inscrição "Sea-Dweller", porém, manteve-se intacta no mostrador, surgindo agora ao seu lado o nome "Deepsea". Afinal de contas, a Rolex é uma marca cuja filosofia assenta sobretudo na continuidade. A característica mais marcante do novo modelo é, sem dúvida, o poderoso diâmetro de 44 mm, em comparação com os anteriores 40 mm. E porque a forma segue a função, o salto para os 44 mm de diâmetro da caixa fez-se acompanhar de inovações técnicas que garantem uma estanqueidade até aos 3.900 metros de profundidade, que equivale a uma pressão de 390 bar. Para se ter uma ideia da magnitude deste valor, basta dizer que a maioria dos relógios de mergulho do mercado são estanques até 200 metros.
Para resistir à enorme pressão que reina a uma profundidade de 3.900 m, a Rolex desenvolveu uma arquitetura de caixa patenteada designada Ringlock. Esta é composta de três elementos: um anel feito de um metal especialmente tratado com nitrogénio que garante que a pressão inerente às profundezas fique distribuída; a este é enroscado o vidro de safira convexo de 5 mm e o fundo de titânio, que tem a vantagem de se moldar e reverter à forma original. A coroa Triplock, com tripla impermeabilidade é, por fim, enroscada à caixa.

Válvula de hélio para mergulhos profundos

Quando o mergulhador desce a grandes profundidades, entra numa câmara de compressão/descompressão, onde a pressão ambiente é igualada à pressão da profundidade onde deverá ser realizado o mergulho. Nesse período de compressão/descompressão, respira uma mistura de oxigénio, hidrogénio e hélio. Ora, por mais herméticos que os relógios sejam, os minúsculos átomos de hélio conseguem penetrar no relógio, e como não conseguem escapar da caixa suficientemente depressa aquando da redução da pressão exterior, existe o risco de o vidro poder saltar. Para resolver este problema, a Rolex criou a válvula de hélio, que permite deixar escapar os átomos de hélio. Esta aciona-se automaticamente tanto no Deepsea como no Sea-Dweller 4000. Noutros relógios de mergulho, como o Seamaster Planet Ocean, esta é acionada manualmente.

Movimento automático com precisão cronométrica

O mecanismo automático que alimenta o Sea-Dweller Deepsea é o calibre 3135, reputado pela sua precisão cronométrica e certificado pelo COSC (Côntrole Officiel Suisse des Chronomètres). Este dispõe de data com mudança instantânea e ajuste rápido, e é dotado da função stop-seconds que permite parar o ponteiro dos segundos, para um ajuste preciso da hora.
Este mesmo calibre motoriza o Sea-Dweller 4000, que completa a coleção desde 2014. Além da caixa, que apresenta um diâmetro mais comedido de 40 mm, o restante visual é idêntico ao do Deepsea. Trata-se, pois, de uma alternativa perfeita para pulsos mais estreitos. Os dois relógios têm em comum a luneta rotativa unidirecional que inclui uma escala de 60 minutos em Cerachrom (nome patenteado da cerâmica utilizada pela Rolex nas suas lunetas). As marcações são gravadas na cerâmica e revestidas a platina com uma técnica de PVD.
A segunda parte do nome do Sea-Dweller 4000 remete precisamente para a profundidade máxima que este relógio pode alcançar: 4.000 pés, ou seja, 1.220 m, uma profundidade a que só os mergulhadores profissionais poderão descer. Afinal, este relógio descende de uma linha de "mergulhadores" profissionais estreada com o protótipo Deepsea Special, que em 1960 desceu até aos 10.916 metros na Fossa das Marianas.

Tudo começou com o Submariner

A origem do modelo profissional Sea-Dweller está intimamente ligada à histórica parceria da Rolex com a COMEX (Compagnie Maritime d’ Expertises), a primeira empresa do mundo especializada em engenharia subaquática e na construção de poços de extração petrolífera em alto mar. A Rolex forneceu o primeiro relógio com uma válvula de hélio aos mergulhadores da COMEX: o Submariner referência 5513. Uma marca distintiva destes modelos é o logótipo da companhia no mostrador, mas também existem versões nas quais a referência à COMEX aparece gravada no fundo. Estes relógios são atualmente muito procurados e alcançam valores acima de 50.000 euros. Já os primeiros protótipos do Sea-Dweller, que foram concebidos para alcançar profundidades de até 1.500 m, embora não possuíssem ainda uma válvula de hélio, são tão raros que são vendidos por valores de seis dígitos. Estes relógios foram usados pelos mergulhadores da marinha norte-americana.
Depois de todas estas experiências reais no mundo subaquático, a Rolex tinha finalmente as bases para lançar o Sea-Dweller, o que sucedeu em 1967. Este foi o primeiro relógio de mergulho comercial a vir equipado com uma válvula de hélio. Os modelos desta época possuem a referência 1665 e são facilmente reconhecíveis pela inscrição "Sea-Dweller" a vermelho no mostrador —uma característica importante para os colecionadores. Esta inscrição permaneceu intocada até 1977. Estes modelos são conhecidos pelo apelido "Single Red" ou "Double Red".

As mudanças de 1978

Em 1978, a Rolex fez algumas modificações ao Sea-Dweller, nomeadamente a mudança da cor da inscrição no mostrador, que passou a ser branca. Além disso, passou a equipar o relógio com o calibre 3035, que veio substituir o calibre 1575. O número de alternâncias aumentou de 19.800 para 28.800 A/h, o que garante uma maior precisão cronométrica. A profundidade máxima também passou a ser de 1.220 m (4.000 pés). A outra grande mudança ocorre em 2008 com a introdução do Deepsea. Seis anos depois, o Sea-Dweller foi reeditado com o cognome 4000.
Tanto o Deepsea como o Sea-Dweller 4000 foram desenvolvidos a partir do Submariner, lançado em 1953. Os modelos mais recentes deste emblemático relógio são estanques até 300 m (30 bar) e estão, assim, perfeitamente vocacionados para mergulhos até esta profundidade. O Submariner é, pois, a melhor alternativa ao Sea-Dweller 4000, também da marca genebrina. Tanto este como o Submariner assentam numa caixa de 40 mm de diâmetro e, à primeira vista, são relógios bastante semelhantes. A maior diferença consiste no facto de o Submariner possuir uma lupa de aumento Cyclops para a data. No seu interior bate também o calibre 3135.

Deepsea D-Blue

A Rolex lançou ainda uma edição limitada designada Deepsea D-Blue, em homenagem à viagem subaquática realizada por James Cameron em 2012. O realizador, que ficou famoso pelo filme Titanic, alcançou a Fossa das Marianas, o ponto mais profundo do oceano com quase 11 mil metros de profundidade, munido de um relógio Rolex especialmente desenvolvido para a ocasião, que foi afixado à parte externa do submersível. O relógio possui um mostrador em degradê, que vai do azul noturno ao preto mais intenso, reproduzindo os tons do fundo do mar.